starlink

ANATEL aprova operação da Starlink no Brasil

COMPARTILHE:

Há algum tempo estamos acompanhando o desenrolar da chegada da internet via satélite da Starlink aqui no Brasil. A Starlink uma empresa da SpaceX de Elon Musk. E enfim, neste 28 de Janeiro de 2022 mais um passo foi dado. Agora é oficial, a ANATEL acaba de aprovar a operação da Starlink no Brasil. Mas não só para ela, como também para a Swarm Technologies, uma empresa que oferece serviços de conectividade via satélite voltada para a internet das coisas (IoT).

A Starlink Brazil Holding Limitada será a representante legal. E é a responsável pela comercialização do kit de conexão que custa US$499 e também da cobrança das mensalidades de US$99 / mês. Estes valores são os praticados atualmente nos Estados Unidos, então poderão sofrer alterações por aqui. Para mais, é claro. Ou seja, na conversão direta seria algo em torno de R$540/mês a mensalidade, mais os encargos que certamente irão incidir sobre o serviço. 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Licença para Starlink 

A licença aprovada pela ANATEL em favor da Starlink é válida até 28 de março de 2027. Ela prevê o monitoramento constante do sinal e o uso de uma constelação de 4.408 satélites interconectados para prover internet em todo território nacional. Especialmente em áreas remotas e/ou sem infraestrutura de cabos e antenas terrestres. 

 

Constelação de Satélites Starlink 

O projeto Starlink iniciou em 2015 e enviou os primeiros satélites para o espaço em 2018. Nestes 3 anos de envio, quase 2.000 já estão em órbita, a maioria em operação. O que permitiu inclusive, o início dos testes beta nos Estados Unidos, Reino Unido e Canada. E agora mais próximo de começara a operar também aqui no Brasil também. No mundo já são mais de 10 mil clientes, mas pretendem chegar a marca dos 5 milhões em um curto espaço de tempo.

Com um planejamento e autorização pela FCC (EUA) para  12 mil satélites starlink numa primeira fase, pretende chegar a mais de 42 mil no intervalo de mais de uma década. Assim, criando uma nova constelação nos céus. Uma constelação de satélites.

Esses satélites pesando aproximadamente 227 kg cada um são enviados até uma altitude média de 400 km de altitude por meio dos foguetes Falcon 9. Depois, utilizando propulsão própria, como que na forma de um “trenzinho”, esses satélites Starlilnk são posicionados a uma altura de aproximadamente 550 km para entrarem em operação.  Cada foguete Falcon 9 leva 60 satélites Starlink por missão.

 

Altitude dos satélites

Após completar a primeira fase, outras camadas de satélites a 384 km e 1.200 km de altitude serão criadas. A fim de comparação, hoje existe algo em torno de 2.300 outros satélites de todas as nações e serviços. Assim, só nessa primeira fase a Starlink já terá 6x mais satélites operando do que todos os outros juntos. E se aprovada a autorização para os 42.000 desejados, sozinha terá quase 20 vezes mais. E não é só a Starlink que está começando a explorar este tipo de serviço. Muitas outras estão lançando seus satélites também. 

Um outro grande diferencial deste projeto, quando comparado com os satélites que hoje fornecem internet, é a latência. Ou seja, o tempo de resposta. Isso porque são satélites geoestacionários (que levam 23h54m06s para dar uma volta completa, pois sempre estão no mesma posição e rodam junto com a terra) estão a 35 mil Km de altitude. E assim, a latência fica na casa dos 500 a 600 milissegundos. O que pode inviabilizar jogos online e conferências, por exemplo. Já os da Starlink respondem entre 20 a 40 ms, já que estão muito mais próximos do planeta.

 

Como funciona a internet via satélite

Uma vez posicionados a uma altitude de 550 km, estes satélites se movimentarão rapidamente em relação aos pontos fixos na terra. Assim, o tempo de “visada” de cada satélite pelas antenas terrestres será de apenas alguns minutos. Em outras palavras, o tempo que a antena “vê” o satélite. Por isso a necessidade da rede destes milhares de satélites a fim de proporcionarem uma internet rápida e estável em qualquer parte do planeta. Seja nos grandes centros, florestas, desertos ou ainda em mar aberto.

Esses satélites formam uma rede entre si, e se comunicam com as antenas dos usuários e também com os seus data centers. Assim, provendo internet em qualquer lugar.

 

Veja a posição dos satélites Starlink em tempo real:

https://findstarlink.com/

https://satellitemap.space/ (posição e altitude em tempo real)

https://www.starlink.com/ (site oficial)

 

Leia mais:

Starlink – um nova constelação nos céus

StarShip pousa sem explodir e Marte fica mais próximo

Starlink, de Elon Musk, pede autorização para explorar internet por satélite no Brasil

Crew Dragon – rumo a colonização espacial

#36 – SpaceX é escolhida para a NASA voltar à lua até 2024

Starlink – Internet via satélite inicia em setembro

 

O que já publiquei sobre a Starlink no Youtube

 

 

COMPARTILHE:
Fernando Pitt

Fernando Pitt

Engenheiro, Professor, Palestrante, Colunista, Blogueiro e Podcaster. Escreve todas as terças-feiras aqui no portal da Revista Única, cujos textos exploram prioritariamente as temáticas relacionadas à Educação e Tecnologia. Editor do blog: http://fernandopitt.com.br Host do Podcast classe.TECH (http://classe.tech disponível nos principais agregadores de Podcast)
documento2.png

NOTÍCIAS RELACIONADAS