ônibus espacial atlantis

10 anos sem os ônibus espaciais

COMPARTILHE:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Há 10 anos, em 20 de Julho de 2011, o ônibus espacial Atlantis fazia seu último pouso e assim dava fim a esta modalidade de transporte espacial. Foi a missão STS-135 lançada em 08 de Julho de 2011, e depois de 12 dias, 18 horas, 27 minutos e 56 segundos, perfazendo 200 órbitas, pousou com sucesso às 11:06 (UTC – hora internacional) em cabo Canaveral. 

Abordo do ônibus espacial, foram 4 astronautas. Christopher Ferguson. Douglas Hurley. Sandra Magnus. Rex Walheim. Sua missão? transportar o módulo de logística multifuncional Rafaello. Nesta viagem não foram mais astronautas pois caso algo ocorresse, não haveria como socorrê-los, uma vez que os outros ônibus espaciais já estavam aposentados. 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Programa de Ônibus Espacial

O programa de ônibus espacial da NASA durou de 1981 até 2011. Com um total de 135 missões lançadas, foram 1.322 dias, 19 horas,  21 minutos e 23 segundos de missões espaciais. Utilizados para o lançamento de satélites e sondas interplanetárias. Construção e manutenção da Estação Internacional ISS, reparo de aparelhos em órbita (Incluindo o Hubble). Além de pesquisas e experimentos científicos em baixa gravidade. 

O primeiro ônibus espacial construído foi o Enterprise, e seu propósito era para testes de aproximação e aterrissagem. Este exemplar pode ser visitado no museu instalado em um porta aviões, o USS Intrepid, que fica atracado no Pier 86, no extremo oeste da rua 46 em Manhattan. Outra curiosidade é que o nome “Enterprise” faz uma homenagem ao famoso seriado de TV Jornada nas Estrelas. Foram mais de 400 mil cartas enviadas em uma campanha que convenceram o então presidente Gerald Rudolph Ford Jr a escolher esse nome. 

Inicialmente quatro ônibus espaciais foram construídos para  ColumbiaChallengerDiscovery e Atlantis. E mais tarde em 1991 também o Endeavour que veio para substituir Challenger. Destes cinco, dois foram destruídos em acidentes fatais. O Challanger foi em 28 de janeiro de 1986, o qual explodiu 73 segundos após o lançamento durante o lançamento da missão STS-51-L. E o Columbia que durante a reentrada em 01 de fevereiro de 2003. Apenas 16 minutos antes de tocar o solo e assim finalizar a missão STS-107. 14 astronautas morreram nestes acidentes. Inicialmente esperava-se uma média de 24 voos por ano, e pelo menos 100 por espaçonave. Mas o máximo atingido foi de 9 lançamentos em 1985.

 

Estrutura de um ônibus espacial

Um ônibus espacial é composto basicamente por três partes:

Orbitador : Que é a parte principal e se assemelha a um avião. Onde ficam os astronautas e o módulo de cargas. E é com ele que os astronautas retornavam das missões e pousavam com segurança graças as suas asas.

Foguetes Propulsores: Os dois foguetes propulsores de combustível sólido eram presos ao tanque de combustível externo e eram os  principais responsáveis pelo empuxo de lançamento na vertical. Esses foguetes se soltavam logo após atingirem uma determinada altitute, e então recolhidos após c cair ao mar.

Tanque de Combustível Externo: era fixado ao ônibus espacial. 

Lançamento do Atlantis na missão STS-135

 

O “nariz” do ônibus espacial era revestido com placas cerâmicas capazes de resistir até 2.500ºC durante a reentrada na atmosfera terrestre. E ao todo existiam 49 foguetes com diferentes funções. Desde ajudar no lançamento, até ajustar o curso e rota, e auxiliar durante a reentrada. O módulo de cargas também espaçoso, conseguia levar até 3 satélites ao espaço ao mesmo tempo. 

Os ônibus espaciais eram projetados de tal forma que “não podiam” sair da órbita terrestre. Mas mesmo assim, sua altitude podia variar desde 185 km até 643 quilômetros.  E sua velocidade em órbita chegava a quase 29.000 km/h. 

Estatísticas de Voo
ÔnibusDias de vooÓrbitasDistancia
-mi-
Distancia
-km-
VooViagem mais longa
-dias-
PassageirosEVAsAções na Mir/ISSSatélites
Lançados
Columbia300,744 808125 204 911201 497 7722817,6616070 / 08
Challenger62,4199525 803 94041 527 416108,236060 / 010
Discovery255,844 027104 510 673168 157 6723413,89192281 / 526
Atlantis220,403 46889 908 732144 694 0782912,89161217 / 614
Endeavour206,603 25985 072 077136 910 2372113,86130291 / 63
Total1 045,9916 557430 500 333692 787 17411417,66703919 / 1761

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%94nibus_espacial

 

Aposentadoria

Embora trazendo resultados espetaculares, os ônibus espaciais não chegaram a cumprir o número de missões previstas. E muito disso se deu em virtude dos acidentes fatais com as naves Challanger em 1986, e o Columbia em 2003. 

E desde sua aposentadoria em 2011 até o ano de 2020, os Americanos precisaram “pegar carona” nas naves Soyous Russas para ter acesso a Estação Internacional Espacial. Somente em 2020 os Estados Unidos voltaram a ter autonomia nos seus lançamentos após a homologação da nave Crew-Dragon da SpaceX. E em breve espera-se que a Blue Origin e Virgin Galactic também forneçam esses serviços. 

 

Tudo isso vale o investimento?

Para muitos todo esse investimento em tecnologia para a atual e as anteriores corridas espaciais não passa de desperdício. Alegam que este dinheiro deveria ser investido na terra para curar doenças e combater a fome. Mas será que eles mesmo abririam mão de eletrodomésticos, gadget e tecnologias de comunicação que só existem graças as viagens espaciais?

Desperdício ou investimento. O que você pensa a respeito?

 

 

 

COMPARTILHE:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Fernando Pitt

Fernando Pitt

Engenheiro, Professor, Palestrante, Colunista, Blogueiro e Podcaster. Escreve todas as terças-feiras aqui no portal da Revista Única, cujos textos exploram prioritariamente as temáticas relacionadas à Educação e Tecnologia. Editor do blog: http://fernandopitt.com.br Host do Podcast classe.TECH (http://classe.tech disponível nos principais agregadores de Podcast)

Notícias Relacionadas