Foto: Divulgação

Capivari de Baixo inicia megacampanha de vacinação contra a febre amarela

COMPARTILHE:

A partir desta quinta-feira, 08, a Prefeitura de Capivari de Baixo, por meio do prefeito Dr. Vicente Corrêa Costa, Secretaria de Saúde, Vigilância Epidemiológica e Agência de Endemias, inicia uma das maiores campanhas de vacinação que o município já teve, a de imunização de toda a população (fora o público contraindicado) contra a febre amarela. A doença pode matar e há um alerta já reconhecido na Amurel.

>> Quer receber notícias por WhatsApp? Acesse aqui

Profissionais de duas Estratégias da Saúde da Família (ESFs) do município estão empenhados na aplicação das doses, o Centro II e Três de Maio. Fique atento a possíveis sintomas e procure os postos mencionados. A vacina está disponível o ano todo. Um Dia D também deverá ser criado ainda neste semestre. “Vamos montar um plano de divulgação bem abrangente. É uma de nossas prioridades esta proteção dos capivarienses contra esta doença. Estamos sim preocupados com a morte que ocorreu no Estado e não queremos que a vírus chegue aqui”, atenta o prefeito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A febre amarela é doença infecciosa febril aguda. Em ambiente silvestre, os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus. No ciclo urbano, o vírus é transmitido ao homem pelo Aedes aegypti.

O óbito registrado e confirmado pela Dive foi o primeiro por febre amarela em Santa Catarina neste ano. A vítima, um homem de 34 anos, era morador de Águas Mornas, na Grande Florianópolis. O paciente não tinha registro de vacina no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (Sipni).

Outros três casos humanos de febre amarela já foram confirmados no Estado somente em 2021. O primeiro caso, em janeiro, foi de uma moradora de Taió, no Alto Vale do Itajaí, de 40 anos. O segundo foi confirmado em março, sendo de um idoso, de 62 anos, morador de Águas Mornas, na Grande Florianópolis. O terceiro, de um homem de 46 anos, morador de Anitápolis, também na Grande Florianópolis. Já há casos suspeitos em Lages e em São Bonifácio.

Já são, até agora, 430 macacos mortos ou doentes, sendo que em 111 ocorreu a confirmação para a febre amarela. Outras 33 epizootias (morte ou adoecimento de macacos) continuam em investigação para determinar a causa do óbito.

Devido ao cenário atual no Estado, a Dive também reforça a importância da vacinação contra a febre amarela, melhor forma de prevenir a doença. “Todos os moradores de SC com mais de nove meses devem ser imunizados. As equipes dos municípios com o registro de epizootias precisam realizar a busca ativa de pessoas não vacinadas, especialmente nas áreas rurais ou silvestres. A vacina é gratuita e está disponível nos postos de saúde”, orienta a gerente de imunização da Diretoria, Ariele Schiessl Fialho.

Principais sintomas

Início abrupto de febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas e no corpo, náuseas e vômitos, fraqueza e cansaço, dor abdominal e icterícia (pele amarelada). “Ao apresentar algum sinal ou sintoma, é importante procurar atendimento médico imediatamente. É importante também relatar no atendimento se é morador de borda de mata ou se realizou alguma atividade em matas nos últimos dias e se não tem a dose da vacina”, alerta o diretor da Dive, João Fuck.

Contraindicações para realização da vacina

• Crianças menores de 6 meses de idade;• Pacientes com imunodepressão de qualquer natureza. Pacientes infectados pelo HIV com imunossupressão grave, com a contagem de células CD4 <200 células/mm3 ou menor de 15% do total de linfócitos para crianças menores de 6 anos;• Pacientes em tratamento com drogas imunossupressoras (corticosteroides, quimioterapia, radioterapia, imunomoduladores);• Pacientes submetidos a transplante de órgãos;• Pacientes com imunodeficiência primária;• Pacientes com neoplasia;• Pacientes com história pregressa de doenças do timo (miastenia gravis, timoma, casos de ausência de timo ou remoção cirúrgica);• Indivíduos com história de reação anafilática relacionada a substâncias presentes na vacina (ovo de galinha e seus derivados, gelatina bovina ou outras);• Idosos acima de 60 anos (exceto casos avaliados e aprovados por profissionais da saúde).

Na Amurel

Segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde, 53 mortes de macacos, dez por febre amarela, foram notificadas na região até esta quinta-feira (8):

Braço do Norte

1 caso por infecção de febre amarela confirmada;3 casos de primatas não humanos sem causa da morte identificada;1 caso em análise, aguardando resultado.

Grão-Pará

1 caso de macaco sem causa da morte identificada.

Rio Fortuna

4 casos de primatas não humanos mortos por infecção de febre amarela confirmada;

17 casos de macacos sem causa da morte identificada;1 caso em análise, aguardando resultado.

Santa Rosa de Lima

3 casos de primatas não humanos mortos por infecção de febre amarela confirmada;7 casos de macacos sem causa da morte identificada.

São Ludgero

1 caso de primata não humano sem causa da morte identificada;

>> Única no Instagram: Acesse aqui

São Martinho

2 casos de primatas não humanos mortos por infecção de febre amarela confirmada;1 caso de macaco morto investigado com resultado negativo;6 casos de primatas não humanos sem causa da morte identificada;5 casos em análise, aguardando resultado.

Compartilhe:

COMPARTILHE:

Joyce Santos

Joyce Santos

Jornalista e redatora do portal www.lerunica.com.br.

Notícias Relacionadas